BRIGHT: Will Smith é um policial urbano num mundo de fantasia

David Ayer não não é nenhum estranho no universo do cinema policial, realizando alguns ótimos thrillers criminais dos últimos anos, como MARCADO PARA MORRER e SABOTAGE (além de ser o roteirista de DIA DE TREINAMENTO). É um mundo e gênero que ele conhece bem. E depois da desastrosa experiência com ESQUADRÃO SUICIDA, Ayer retorna às suas raízes com um novo filme de submundo, de criminosos e tiras com BRIGHT, estrelado por Will Smith e Joel Edgerton. Os dois vivem parceiros policiais na luta contra crime pelas ruas de Los Angeles. No entanto, há uma diferença crucial dos trabalhos anteriores de Ayer: o personagem de Edgerton é um orc. Sim, BRIGHT é um típico filme policial urbano e realista de Ayer, mas num universo de fantasia de orcs, elfos e fadas.

Num mundo alternativo onde humanos e criaturas dos livros de fantasia coexistem desde o início dos tempos, temos dois policiais de origens muito diferentes, Ward (Will Smith) e Jakoby (Joel Edgerton), que embarcam em uma noite de patrulha de rotina e encontram uma ameaça que irá alterar o futuro e o mundo como eles o conhecem.

O projeto BRIGHT foi originalmente comprado como um filme de US $ 80 a US $ 100 milhões para estúdios. Após uma guerra de licitação que durou semanas, a Netflix obteve os direitos de produção e mandou bala nas filmagens. Smith e Ayer, que já haviam trabalhado em ESQUADRÃO SUICIDA, acabaram se reunindo novamente e Max Landis (CHRONICLE) escreveu o roteiro.

Confira o trailer de BRIGHT, que tem estreia prevista para dezembro na Netflix:

Gostou do conteúdo? Seja o nosso patrão! Yippee Ki Yay, Motherfucker!

2 Comentários

Deixe uma resposta

  • Na literatura fantástica já existe a quase vinte anos um subgênero chamado ‘New Weird” conhecido por misturar em um mesmo pacote fantasia urbana, terror, ficção científica, policial etc. Tudo mostrado, apesar dos elementos fantásticos, com um realismo brutal.
    Parece que este longa pretende ir na mesma linha. Só resta saber se seus realizadores são tão ousados e criativos quanto os autores “New Weird”.
    Assistirei com um pé atrás.