STOCK FOOTAGE CINEMA – Parte 2: FORÇA DA NATUREZA (2002)

FORÇA DA NATUREZA não é nenhum “Frankenstein” como RANGERS e RAPTOR. Mas não vou negar: um dos destaques do longa é a utilização já na cena de abertura de uma das sequências mais famosas de O ÚLTIMO GRANDE HERÓI. Sim, falo daquele filmaço de John McTiernan estrelado por Arnold Schwarzenegger. Não acredita? Confira com os seus próprios olhos.

Jim Wynorski repete aqui a sua parceria com o roteirista Steve Latshaw. FORÇA DA NATUREZA não passa de uma brincadeira com os reality shows que estavam começando a fazer sucesso nos Estados Unidos, principalmente SURVIVOR que originou o NO LIMITE. Até certos clichês são usados para fazer graça.

Treat Williams é Sam Garrett, um policial durão enviado a uma ilha como participante de um programa chamado ‘Caça ao Tesouro’, onde entra na disputa por um prêmio de 10 milhões de dólares. O que ele e nem seus colegas esperavam é que o time de ex-soldados contratados pela produção para dificultar a busca pelo tesouro e o próprio apresentador tem outros planos. Os caras não querem saber de tiros de festim. Como se isso não bastasse, uma onda gigante está a caminho da ilha. Sentiu o drama? Por incrível que pareça, o filme ainda tenta se levar um pouquinho a sério, mas não muito, claro… digo isso porque alguns personagens são mortos de maneira muito gratuita. Nem mesmo eu esperava tal destino para eles.

Eu não sabia que o Arnold fazia liquidação de garagem.

O elenco de figuras carimbadas chama a atenção. Além de um divertido Treat Williams, temos os grandes Tim Thomerson (o eterno Jack Deth da série TRANCERS e Brick Bardo, em DOLLMAN) e Curtis Armstrong (o eterno Booger de A VINGANÇA DOS NERDS) como participantes do reality show. No campo feminino, Susan Walters e Tamara Davies são boas presenças (não, elas não tiram a blusa hehe) e de vilões, o subestimado Michael Dudikoff tem bons momentos como o líder dos mercenários. Um dos subordinados de Dudikoff é outro rosto familiar, William Zabka, o loirinho treinado por Martin Kove só para levar o chute mais ridículo da história do cinema em KARATE KID.

The Bad Guys
The Good Guys

A produção também usa outra tática dos primórdios do cinema barato, mas esta é utilizada até hoje: a participação confinada. Cliff DeYoung é o ‘nome’ que tem o papel do produtor do reality show. DeYoung só aparece uma única vez em outra locação, mas ao longo do filme ele fica no estúdio da emissora de TV. A última cena do personagem no filme de cair o queixo, daquelas que fazem a gente se lembrar de que o cinema é a arte onde absolutamente tudo pode acontecer. E é por isso que sigo vendo essas belezas ao invés de perder tempo com baboseiras intelectualóides de boteco onde não acontece nada em 10 minutos de filme. Uma coisa é certa, nos legítimos filmes B, isso nunca irá ocorrer. Sempre há algo para a nossa alegria em muito menos de 10 minutos de filme, mesmo que no fim das contas ele acabe sendo muito ruim.

Ofereço um brinde à Jim Wynorski, Steve Latshaw, Fred Olen Ray e a todos os outros autores de vários filmes que são sem vergonha sim, mas sou mais eles do que farsantes tirando onda de cineastas quando não o são. É claro que sei reconhecer títulos onde o estilo está acima do conteúdo, mas também faço questão de sempre afirmar que cinema é a arte de se fazer filmes, não quadros em movimento.

Stock Footage Cinema: Um pouco de história do cinema B e direto para vídeo para vocês

Computação gráfica não era moda e nem qualquer um tinha After Effects no computador de 1998 a 2005. Várias produtoras neste período fizeram seus filmes B de ação/ficção com cenas de tiroteio, explosões, helicópteros e etc licenciadas (ou seja, pagas aos estúdios e detentores dos direitos) de outros filmes de maior orçamento. Essa é uma prática adotada desde o início da carreira do mestre Roger Corman e dos tempos dos seriados de matinê dos anos 40 e 50 que eram roteirizados a partir dessas cenas mais caras de se fazer. Os valores de produção aparentavam ser maiores e a produção em si ficava mais em conta do que muitos pensavam.

Entre os produtores do período, destacaram-se Joseph Merhi e Richard Pepin, da inesquecível PM Entertainment, com títulos como AVALANCHE e DEVASTAÇÃO EM LOS ANGELES (Epicenter). Mas nenhum deles superou a quantidade de lançamentos da Phoenician (Andrew Stevens, Elie Samaha e Alison Semenza) e Cinetel (Paul Hertzberg). Motivo: Wynorski e Fred Olen Ray eram os seus diretores. Eles ganham a vida por serem rápidos, saberem trabalhar com limitações orçamentárias e entregar os filmes no prazo ou até mesmo antes do tempo estimado. A dupla trabalhou tanto nesse período que os seus hoje já conhecidos pseudônimos Jay Andrews e Ed Raymond foram criados para as distribuidoras não reclamarem que os 4 filmes que compraram no ano eram dirigidos pela mesma pessoa. Não é para menos que eles foram os reis deste ‘stock footage cinema‘ e fizeram a festa no período.

FORÇA DA NATUREZA pode ser assistido agora mesmo através da Netflix Brasil. Divirta-se!

Gostou do conteúdo? Seja o nosso patrão! Yippee Ki Yay, Motherfucker!

Adicione um comentário

Deixe uma resposta