FÚRIA ASSASSINA (Rage, 1995)

Querem saber o que é ação na sua forma mais pura? Basta assistir a RAGE, um dos melhores filmes do britânico Gary Daniels, realizado nos tempos áureos da saudosa PM Entertainment, quando as locadoras de vídeo de bairro eram abastecidas com esse tipo de material. RAGE era uma das fitas que nunca acumulavam poeiras nas prateleiras! Lembro de ter alugado algumas vezes na minha adolescência e de ter ficado embasbacado com a proposta do filme, completamente maluca, que consiste simplesmente em entregar ao espectador, que não tem tempo de respirar, algumas das sequências de ação mais alucinantes do cinema de baixo orçamento.

Dirigido pelo “mestre” Joseph Merhi, um dos cabeças da famigerada produtora PM Entertainment, a trama tem no máximo uns dez minutos para apresentar o personagem principal (Gary Daniels interpretando um professor de primário, impagável) e mostrar como foi sequestrado, levado para um laboratório secreto de algum órgão do governo e injetado um tipo de super-soro… Pois é, os elementos de sci-fi que a PM gosta de incrementar de vez em quando. Depois disso tudo, o sujeito foge, e aí, meu amigo, é ação do início ao fim, com direito a muita perseguição de veículos em alta velocidade, tiroteiros exagerados, pancadaria comendo solta e as habituais explosões amareladas da PM. O que um fã do gênero precisa para um final de domingo chuvoso? Ou você perde tempo com Faustão, Gugu ou BBB?

 

O roteiro de RAGE chega a ser subversivo! Está pouco se lixando para as regras de manuais de script, evita qualquer tipo de desenvolvimento de personagens ou de enredo, e só se preocupa mesmo em dar trabalho para o departamento de dublês, efeitos especiais pirotécnicos, etc, porque o que vemos na tela é basicamente um espetáculo demonstrando o que esses profissionais especializados no gênero eram capazes de proporcionar. A atuação de Gary Daniels, por exemplo, se resume a fazer expressões de poucos amigos enquanto dirige um caminhão em alta velocidade pelas estradas ou enquanto dá um chute na cara dos malfeitores. Nada mais.

A coisa fica ainda mais divertida quando paramos para analisar alguams dessas sequências de ação, como por exemplo a do helicóptero que rodeia o topo de um prédio, com um policial atirando constantemente, enquanto Daniels está pendurado, segurando-se apenas com os dedos na beirinha do arranha-céu… é ridículo, mas ao mesmo tempo fascinante! Fico imaginando como esses caras arquitetavam a coreografia das coisas… Bons tempos em que o herói do filme protagonizava uma cena como a do caminhão pela estrada, fugindo dos policiais, matando por acidente pessoas inocentes, destruindo tudo pela frente, e saindo ileso ao pular de cima da cabine no momento exato em que seu veículo se choca com um ônibus escolar. É uma visão e tanto… A ação final é tão frenética que chega a dar náuseas. Se passa num shopping onde ocorre troca de tiros e muita pancadaria, com direito à vidros estilhaçando e uma ceninha de luta dentro de uma locadora de vídeos com vários cartazes de filmes da PM.

 

É até impressionante como os realizadores encontraram uma maneira de fazer uma crítica ao jornalismo sensacionalista durante a cobertura dos incidentes que o nosso herói se mete, sempre deixando um rastro de morte e destruição. Sim, RAGE é tão divertido quanto parece e vai deixar você, que é fã desse tipo de tralha, com um sorrisão estampado na cara durante um bom tempo!

Gostou do conteúdo? Seja o nosso patrão! Yippee Ki Yay, Motherfucker!

Adicione um comentário

Deixe uma resposta