MAD MAX 2 E O CINEMA PÓS-APOCALÍPTICO OITENTISTA

Em 1979, foi lançado MAD MAX , de George Miller. Ótimo thriller futurista de vingança, o filme se tonou um cult quase que instantaneamente. Dois anos depois sai a sequência, MAD MAX 2, também dirigido por Miller, que trazia um futuro ainda mais devastado e distópico, repleto de gangues com visual extravagante e personagens estranhos . O sucesso do filme foi enorme, e seu conceito visual único fez com que toda a cultura pop fosse influenciada por ele. No cinema, todo um subgênero surgiu, os filmes pós-apocalípticos de deserto talvez seja um dos mais prolíficos da historia do cinema. Este artigo tem como objetivo dar uma pequena pincelada cronológica trazendo à tona alguns dos principais representantes deste famigerado subgênero influenciado pelo filme australiano de George Miller.

Resultado de imagem para Mad Max 2

Logo no ano seguinte, saiu BATTLETRUCK , também conhecido como WARLORDS OF THE 21st CENTURY. Produzido na Nova Zelândia, perto da terra-natal do seu filme de inspiração, o longa se passa após a Terceira Guerra Mundial, quando o mundo entrou em decadência e uma nova era sem lei nasceu. No mesmo ano saiu o italiano OS GUERREIROS DO BRONX com o ator Mark Gregory, que também ficaria famoso por THUNDER, uma versão italiana de RAMBO. Dirigido pelo cultuado Enzo G. Castellari, o filme mostrava uma Nova York pós-apocalíptica, onde um policial se infiltrava no Bronx, que era cenário de lutas entre gangues. Além da óbvia influência de MAD MAX, o filme também buscou inspiração em WARRIORS- OS SELVAGENS DA NOITE, de Walter Hill. A produção foi a primeira do gênero na Itália (nos anos seguintes, o país investiria muito no gênero) e foi recordista de reprises no SBT. No ano seguinte, o filme ganharia uma boa continuação chamada FUGA DO BRONX. Também neste ano Joe D`amato lança 2020- OS GLADIADORES DO FUTURO, divertida produção bagaceira. Nos Estados Unidos, Charles Band lança METALSTORM, um misto de pós-apocalíptico com aventura espacial .

Resultado de imagem para bRONX wARRIORS

 

Em 1983, o diretor Enzo G. Castellari retorna ao gênero em GUERREIROS DO FUTURO (I Nuovi Barbari), que acompanhava dois mercenários enfrentando uma gangue liderada pelo ícone da Blaxploitation, Fred Williamson. Outro marco, o filme apresentava ação de qualidade e trazia uma bizarra cena de estupro homossexual. No mesmo ano, o diretor Sergio Martino (A ILHA DOS HOMENS-PEIXES) lança 2019 – AFTER THE FALL OF NEW YORK, que trazia Michael Sopkiw como um mercenário contratado pela federação rebelde para se infiltrar na cidade de Nova York, que é controlada pelos vilões Euraks, e resgatar a única mulher fértil que sobrou no mundo. O filme era tão influenciado por MAD MAX 2 quanto por FUGA DE NOVA YORK, de John Carpenter. Outras incursões do cinema italiano no gênero em 1983 foram OS EXTERMINADORES DO ANO 3000, de Giuliano Carmineo que trazia vários grupos lutando por água, num mundo devastado; STRYKER, de Cirio H. Santiago, que já tinha idéias bem parecidas com WATERWORLD muitos anos antes; e WARRIOR OF THE LOST WORLD, de David Worth, trazia uma variação interessante do tema, com uma pegada mais forte de ficção cientifica.

Em 1984, foi a vez da lenda do cinema de horror italiano Lucio Fulci se arriscar no gênero com THE NEW GLADIATORS, que se passava no ano de 2072, onde uma emissora de TV organiza duelos entre gladiadores enquanto uma conspiração ocorre nos bastidores. Um dos filmes mais obscuros do diretor, o longa traz boas cenas de ação. No mesmo ano o diretor Bruno Mattei lança o trash RATOS – A NOITE DO TERROR , que mostra um futuro onde a maior parte da população vive nos subterrâneos após um holocausto nuclear que deixou a superfície contaminada por radiação. Alguns humanos, chamados de Novos Primitivos, voltam a superfície e são marginalizados. Um grupo de Primitivos chega a uma cidade abandonada e busca abrigo numa velha hospedaria, onde são atacados por ratos famintos. Ineficaz mistura de pós-apocalíptico com terror, o filme traz um roteiro cheio de furos, mas acaba sendo um bom entretenimento graças aos momentos involuntariamente cômicos. O criativo SHE, de Avi Nesher, trazia a musa Sandahl Bergman (CONAN) como uma guerreira de um futuro pós-apocalíptico que procurava sua irmã sequestrada e no caminho tinha que enfrentar gladiadores, Lobisomens, um gigante, entre outros perigos peculiares. Outras produções do mesmo ano foram O EXECUTOR FINAL, de Romolo Guerrieri, e A MAN CALLED RAGE, de Tonino Ricci.

Em 1985, é a vez do cinema filipino investir no gênero. Nesse ano são lançados WHEELS OF FIRE, de Cirio H. Santiago, e WARRIORS OF THE APOCALIPSE, de Bobby A. Suarez. Enquanto o primeiro não escondia a influência de MAD MAX em suas cenas de ação e figurinos, o segundo acrescentava elementos diferentes ao gênero, como pessoas que atiravam raios laser pelos olhos e tribos de Pigmeus. O filme é um deleite para os fãs de cinema trash. Confiram a cena a seguir :

Em 1986, sai LAND OF DOOM, de Peter Maris. O filme acompanhava uma guerreira feminista que se une a um soldado para procurar um paraíso perdido num mundo devastado. As Filipinas lançam mais um exemplar, o divertido EQUALIZER 2000, mais um do Santiago. WIRED TO KILL, de Francis Schaeffer, também é um filme bem interessante e obscuro do mesmo ano. Ainda em 1986, o prolifico Cirio H. Santiago retorna novamente ao gênero em FUTURE HUNTERS, que trazia como protagonista ninguém menos que Robert Patrick, o eterno T-1000 de O EXTERMINADOR DO FUTURO 2. O longa era uma legítima tranqueira, com momentos involuntariamente cômicos, como a cena abaixo :

Em 1987 sai CHERRY 2000, com Melanie Griffith, filme que tinha uma abordagem mais leve sobre o tema, com humor e boas cenas de ação. Patrick Swayze também teve seu momento “Max” em CREPÚSCULO DE AÇO, que era uma versão pós-apocalíptica do clássico faroeste OS BRUTOS TAMBÉM AMAM. Coincidência ou não, outro clássico ganhou versão pós-apocalíptica: OS SETE SAMURAIS, de Akira Kurosawa, foi adaptado em A ERA DA DESTRUIÇÃO, com Bruce Dern como protagonista. A Itália atacou novamente com SOBREVIVENTES DO AMANHÃ, de Giuseppe Vari. Outros exemplares são o francês TERMINUS, de Pierre-William Glenn, e INTERZONE, dirigido por Deran Sarafian, protagonizado por Bruce Abbott, de RE-ANIMATOR.

WGW World Gone Wild.jpg

Em 1988, Fred Olen ray lança WARLORDS com David Carradine. As mulheres tomam o gênero de assalto em PHOENIX- A GUERREIRA DO SÉCULO XXI, de Robert Hayes. Lembrando uma boa história da revista em quadrinhos francesa Metal Hurlant, o filme acompanha um grupo de mulheres que, munidas de metralhadoras, pretendem salvar um mundo devastado.

Em 1989 Também é lançado JUGGERS – OS GLADIADORES DO FUTURO, com Rutger Hauer. No mesmo ano sai CYBORG- O DRAGÃO DO FUTURO com Jean Claude Van Damme. O filme já foi resenhado aqui no site e vocês podem ler a matéria aqui : THE BRONX EXECUTIONER era mais uma produção italiana de baixíssimo orçamento que mostrava um cyborg indo atras de vingança contra uma gangue de criminosos, numa Nova York devastada .

Na década seguinte, o gênero foi pouco explorado, e poucos exemplares sairam . Podemos citar a a divertida tranqueira ULTRA WARRIOR, de 1990. HARDWARE, de Richard Stanley, lançado no mesmo ano, fazia uma criativa fusão entre Cyberpunk, pós-apocalípse e horror e se tornaria um clássico cult. O filme mostrava um futuro radiativo, onde um homem encontrava a cabeça de um robô e levava para a namorada, que era artista plástica, usar no seu trabalho, mas a cabeça reconstituía seu corpo e se revelava uma máquina de destruição implacável, matando qualquer um no seu caminho. DELICATESSEN, de 1991 e dirigido por Jean-Pierre Jeunet (O FABULOSO DESTINO DE AMELIE POULAIN e ALIEN 4) era uma comédia de humor negro que misturava futuro pós-apocalíptico e canibalismo. TANK GIRL, de 1995, baseado na HQ de mesmo nome, mostrava uma garota que lutava contra uma organizacão que controlava o estoque de água potável da terra de forma tirana e injusta . Da segunda metade dos anos 90 em diante, exemplares do gênero se tornariam raríssimos, fazendo com que os admiradores tivessem que caçar as produções dos anos 80, algumas delas bem difíceis de encontrar até hoje, mesmo com o advento da internet.

Na segunda parte dessa matéria, abordaremos o impacto de MAD MAX 2 nos quadrinhos, nos desenhos animados e nos games . Até breve !

Gostou do conteúdo? Seja o nosso patrão! Yippee Ki Yay, Motherfucker!

1 Comentário

Deixe uma resposta

  • Excelente matéria, tinha muitos aí que eu não conhecia e outros que eu não lembrava, mas já tinha visto!
    Tenho uma contribuição, de filmes pós apocalipticos um dos meus preferidos é The Ultimate Warrior (e veio antes de Mad Max, por falar nisso), onde o mundo está devastado e a comida é escassa, com gangues canibais nas ruas. O guerreiro interpretado por Yul Brynner, em um de seus últimos filmes se não me engano, tem poucas palavras e uma missão de salvar uma mulher grávida e as últimas sementes férteis de alimentos. Um filmaço, eu revi recentemente e continua bom até hoje.