O HOMEM COM PUNHOS DE FERRO (2012) | REVIEW

A cinefilia é uma coisa engraçada. Muitos de nós, secretamente ou abertamente, temos aquela fantasia de estar em um set de filmagens, criar o seu próprio filme, dentro do seu gênero favorito, e mostrar pro mundo que seríamos capazes de ser aquilo que figuras como Brett Ratner jamais conseguiriam. Sabemos todas as regras. Assistimos e reassistimos diversos filmes, diversas vezes. Temos toda a noção, em nossas cabeças e corações, de como um filme deve ser. Existe em nós um clássico a ser filmado e, futuramente, reverenciado.

É justamente para pessoas como nós, que acreditamos nisso de forma mais direta ou indireta, que O HOMEM COM PUNHOS DE FERRO (The Man With The Iron Fists, 2012), dirigido pelo rapper e ator RZA, existe. É a lição de humildade que todo fanboy precisa ter.

O filme conta a história de um ferreiro humilde (o próprio RZA), de passado misterioso, que mora em um vilarejo na China Feudal. Ele cria armas letais que são usadas pelos mais diversos clãs, como o Clã do Leão, chefiado pelo Leão de Ouro (Chen Kuan Tai, O ASSASSINO DE SHANTUNG, numa breve participação). Ele o faz para conseguir comprar a liberdade de sua amada Lady Silk (Jamie Chung, de SUCKER PUNCH), que trabalha no bordel de Madame Blossom (Lucy Liu, de KILL BILL). Após a morte do Leão de Ouro pelos seus asseclas Prata (Byron Mann, o eterno Ryu de STREET FIGHTER – A BATALHA FINAL) e Bronze (Cung Le, SAVAGE DOG), seu filho Zen Yi (Rick Yune, INVASÃO A CASA BRANCA) volta à cidade para a vingança….

Enfim. Eu vou parar de escrever porque estou cansado. Isso tudo vai fazer sentido depois e a história nem é a pior parte. No fim é a velha trama de uma cidade cheia de bandidos, um tesouro, anti-heróis que salvarão o dia. Mas diferente de um delicioso filme de Kung Fu, são tantas indas e vindas, tantos personagens sendo apresentados e jogados fora em cenas de luta que, francamente, não tem graça alguma, que nos fazem refletir o que RZA de fato aprendeu em todos os seus anos de infância e adolescência assistindo aos clássicos do gênero – vale lembrar que RZA é um dos membros do Wu-Tang Clan, um dos mais influentes grupos de rap da história, que viviam referenciando clássicos do gênero em suas letras e canções. O roteiro escrito por ele e Eli Roth é tão desnecessariamente intrincado, como numa tentativa pobre de emular Chang Cheh, que se torna cansativo. Meio FIVE VENOMS, meio CRIPPLED AVENGERS, meio MARCO POLO, e um fracasso quase completo. Era melhor, também, que chamasse outro diretor pra tentar dar ordem ao caos.

Com destaque para um inspiradíssimo Byron Mann e o personagem de Russel Crowe (sim, ele também está aqui) o elenco acaba sendo a melhor coisa do filme. O pior ator é justamente o RZA que, sabiamente, se colocou quase como coadjuvante, embora seja o “Homem Com Punhos de Aço” do título. Definitivamente um filme de kung fu que só vai agradar a quem não conhece o gênero.

Gostou do conteúdo? Seja o nosso patrão! Yippee Ki Yay, Motherfucker!

1 Comentário

Deixe uma resposta

  • Adorei o site!!!! Era tudo que precisávamos!!!!! Obrigada. Não deixo de acompanhar nem mais um dia!!! Comentários bem estruturados, com fundamento.