REVIEW: XXX: REATIVADO (xXx: Return of Xander Cage, 2017)

Apesar de ser conhecido pelo personagem Dominic Toretto, da franquia VELOZES E FURIOSOS, que a cada novo filme faz mais bilheteria, o astro Vin Diesel tem uma carreira marcada por poucos sucessos. Apesar de já ter estrelado diversas produções e interpretado diferentes personagens, ele só obteve sucesso com dois além de Toretto: o criminoso estelar Riddick, de ECLIPSE MORTAL e o praticante de esportes radicais, transformado em agente secreto Xander Cage, de TRIPLO X. Quanto ao primeiro, ele tentou retomá-lo por duas vezes em continuações fracas e mal sucedidas (AS CRÔNICAS DE RIDDICK (04), e RIDDICK(13)). Todas as tentativas do astro de fazer outros filmes também sempre resultaram em fiascos (caso de O CAÇADOR DE BRUXAS, por exemplo). Recentemente, ele retornou à pele de Xander Cage em XXX:REATIVADO, e só conseguiu adicionar mais um fiasco a carreira. O filme é medíocre, e funciona mais como uma egotrip do astro do que como um filme.

Em XXX:REATIVADO, o programa Triplo X, agora liderado por Jane Marke (Toni Colette), resolve reconvocar Xander Cage para que caçe o perigoso Xiang (Donnie Yen) e sua equipe e recupere uma arma chamada A Caixa de Pandora. Para enfrentar o vilão, Xander chama alguns amigos para ajudá-lo, e assim salvar o mundo mais uma vez.

Atuando como produtor, como faz em todos os seus filmes desde que retornou a franquia VELOZES E FURIOSOS, Diesel fez um filme de autoafirmação, em que sempre que entra em cena, parece que está tatuado em sua testa “Eu sou o foda”, tamanha é a sua afetação. E o roteiro é um veículo para isso, mostrando todas as mulheres se jogando em cima de Xander Cage, o que não acontecia no primeiro filme, e que aqui é mostrado de forma over e pouco convincente. Seu personagem nunca se dá mal, apanha ou sofre de alguma forma, numa caracterização que lembra as letras de rappers como Ja Rule e Snoopy Doggy, estilo de musica que coincidentemente é tão querido ao astro .

Apesar de se assumir como galhofa, o roteiro é tão mal escrito que se torna ineficaz até em rir de si mesmo. A trama tem personagens pessimamente escritos, o que dificulta o trabalho de atrizes carismáticas como Ruby Rose e Deepika Pakudone. Tudo bem que um filme de ação não precisa necessariamente de um desenvolvimento profundo de personagens, mas aqui é tudo tão mal escrito, que não conseguimos nem nos importar com os personagens, pois nem os diálogos e nem as tiradas cômicas que saem de suas bocas convencem.

E há sequências que parecem ter sido escritas por uma pessoa com problemas psiquiátricos sob efeito de drogas pesadas, como a que apresenta os membros da equipe de Xander: primeiro vemos a personagem de Ruby Rose atirando, para ressaltar sua habilidade na pontaria, depois vemos um sujeito completamente louco que curte ficar batendo com o carro, e na sequência vemos um jovem que invade boates para discotecar de forma clandestina . Ou seja, dos três só a personagem de Ruby tem uma habilidade que pode ser usada numa missão secreta, os outros dois não tem a menor razão para serem convocados. E tudo segue assim, sem a menor lógica ou coerência. Outro exemplo é uma reviravolta envolvendo o vilão que não faz o menor sentido. Simplesmente está lá como desculpa para as cenas de ação que se seguem.

E quanto a ação ? Algumas cenas são boas e outras não. A sequência em que o vilão de Donnie Yen invade a sede da Cia, parece tirada de um tokusatsu ruim, tamanho é o grau de exagero e tom caricato. E a atuação de Tony Jaa cheia de afetações e caretas colabora para piorar a coisa toda. Aliás, a participação do astro tailandês é de causar vergonha alheia. Além da atuação patética, ele não tem nem sequer uma cena de luta decente. É deprimente que um astro do quilate de Jaa tenha que se prestar a esse papel para entrar no mercado americano. Lamentável.

A cena da perseguição de motos sobre a água, que os trailers tanto divulgaram, é boa, porém muito curta. Além disso tem um erro de continuidade bizarro, pois eles estão numa festa noturna, de onde o vilão foge com a moto. Quando Cage o persegue, eles vão parar naquela praia onde de repente está de dia! Como deixaram passar um erro desse? Outra sequência que poderia ser mais longa é a da perseguição sobre os carros, no meio do trânsito. Apesar de engenhosa, ela precisava de mais tempo para envolver o espectador. Já a sequência de ação do clímax é longa, mas nunca empolga de verdade.

Um dos piores filmes de ação dos ultimos anos, XXX:REATIVADO é uma sucessão de equívocos. Se Vin Diesel estivesse mais preocupado em fazer um bom filme do que em massagear o seu próprio ego, provavelmente teríamos um resultado melhor. A única maneira dessa franquia render filmes bons no futuro é cair na mão de um diretor talentoso e com personalidade que Diesel não consiga dobrar. Pois se o astro continuar sendo “o dono do filme” veremos mais obras medíocres. Isso caso a franquia continue, claro.

Gostou do conteúdo? Seja o nosso patrão! Yippee Ki Yay, Motherfucker!

1 Comentário

Deixe uma resposta

  • Além de desperdiçar Tony Jaa, esqueceu de comentar o completo desperdício de Donnie Yen, que se juntasse ao baixinho tailandês, provavelmente fariam um filme de ação de fazer Vin Diesel corar de vergonha!! Não acho nenhuma graça em ver astros asiáticos se humilhando em participações vergonhosas de blockbusters americanos, para poderem “conquistar” mercado. Não precisam disso!